Consulta GRATIS com consulado

Oi Senhoras e Senhores,

Sei que muitos tem dúvida sobre ter direito ou não à nacionalidade Espanhola e entendo que nem todos podem permitir contratar uma assessoria para ter uma atenção personalizada, por isso, deixo aqui o questionários gratuito para fazer uma consulta ao consulado espanhol no Brasil.

As instruções são simples: Preencha o questionário respondendo TODAS as perguntas.

Envie ao Consulado da Espanha da sua cidade pessoalmente. Se na sua cidade não tem, pode mandar por correio a qualquer consulado. Esse é o endereço do consulado de Salvador/BA: Rua Marechal Floriano, 21, 40110-010 – Canela, Salvador Bahia.

Uma vez analisado o caso, o Consulado entrará em contato para marcar uma hora e iniciar os trâmites se você tem direito. E se você
não tem direito será notificado avisando.

Share:

Requisitos para solicitar o visto de estudante

  • Apresentar pessoalmente toda a documentação completa, separando os originais e as fotocopias.
  • Todos os documentos deverão ser traduzidos para o espanhol por tradutor juramentado.
  • A solicitação deve ser apresentada com antecedência mínima de 30 dias da data prevista para a viagem.
  • Quando a solicitação for finalizada, o solicitante será comunicado diretamente pela Embaixada para que possa buscar seu visto.
  • Caso a estadia tenha duração superior a seis meses, o estrangeiro deverá solicitar a Carteira de Identidade de Estrangeiro, dentro do prazo mínimo de um mês após a sua entrada efetiva na Espanha.
 
Os familiares de estudantes (cônjuge, companheiro e filhos menores de 18 anos ou tenham alguma deficiência) que desejem acompanhar o estudante, devem apresentar a mesma documentação.  Além disso, também devem provar a sua relação familiar com o aluno por meio de certidão.
Share:

Reforma na Lei de imigração Espanhola

Por Amanda Kalil

A partir de 04 de setembro de 2018 o regramento da Lei 4/2000, sobre direitos e liberdades dos estrangeiros na Espanha e sua integração social, apresenta vários mudanças, entre elas algumas importantes para brasileiros que desejem estudar no país ou para aqueles que já estão estudando.

Tratarei das duas mudanças mais chamativas para brasileiros que desejem estudar:

A primeira mudança mais importante para brasileiros é a modificação do artigo 38, relativo aos requisitos para obter o visto ou autorização de estancia por estudo, dando a possibilidade de pedir o visto de estudante já estando em território espanhol. Até a presente data, o visto somente poderia ser emitido do país de origem do estrangeiros, mas a partir de setembro existe uma exceção relacionada com o visto de estudante.

Tal artigo prevê  que os estrangeiros que se estejam regularmente em Espanha, por exemplo, como turista, e tenha obtido acesso a Universidade, poderá pedir o visto desde território espanhol, sem necessidade de voltar ao País de origem para tramitar-lo. Este trâmite pode ser feito por meio de advogados, assessores, pelo próprio interessado ou inclusive, prevê o artigo o 39, pode ser apresentado pela Instituição de Ensino Superior onde o estudante irá estudar.

O prazo para solicitar é com mínimo 1 mês antes do fim da autorização vigente. É importante deixar claro, que esta opção do artigo 38 só é válida para estrangeiros que se encontrem regular em Espanha, se você está irregular não poderá solicitar o visto desta forma.

O artigo 44, relativo a la mobilidade dos estudantes dentro da União Europeia,  estabelece que, os estudantes que participem num programa da UE que incluía intercâmbio, terão direito a entrar e permanecer em qualquer Estado membro por um período de até 360 dias, sempre que se comunique de forma previa à entrada.

Regramento: https://www.boe.es/buscar/act.php?id=BOE-A-2011-7703

Share:

4 casos de Daño medioambiental para no olvidar

por Amanda Kalil

1.Caso Río Paraná (Derrame de petróleo)

En 16 de julio de 2000, uno de los oleoductos de la refinería Presidente Getúlio Vargas, que pertenece a la empresa brasileña Petrobrás, reventó, expulsando un total de cuatro millones de litros de petróleo crudo al río Bariguí.
Este accidente se convirtió en uno de los peores desastres ambientales ocurridos en Brasil en más de veinte años. Varios municipios afectados por el accidente declararon su intención de demandar a la empresa Petrobrás por los daños que el derrame estaba causando. A su vez, el Instituto Ambiental del Paraná (IAP) declaró que aplicaría a la empresa, y efectivamente aplicó, una multa de 28 millones de dólares, la máxima permitida por la legislación brasileña.

Tras varios días de intensa actividad para reparar el daño al medio ambiente, la preocupación con los países vecinos solo crecía, ya que la mancha de petróleo llegó al Río Iguazú, del cual Bariguí es tributario, y que el Río Iguazú desagua en el Río Paraná, pasando por la triple frontera, entre Brasil, Paraguay y Argentina.

La mancha llegó a cubrir cerca de 50 kilómetros desde su origen hasta la barrera que finalmente la detuvo. Según declaró Hernán Lombardi, secretario de Turismo de la Nación de Argentina, los desprendimientos eran mínimos y no implicarían mayores problemas, por eso no hubo demanda por parte del gobierno Argentino ni Paraguayo.

Sin embargo, según el Instituto Brasileño del Medio Ambiente, los daños causados por la fuga de petróleo al ecosistema del río Iguazú son irreparables: Más cautelosos, los especialistas de diversas organizaciones e institutos afirman que habrá que esperar varios años y realizar estudios cuidadosos para evaluar el impacto que este derrame ha tenido sobre el ambiente. Hasta la presente fecha no se produjo ningún estudio oficial acerca del impacto ambiental del derrame tras 15 años.

2.Caso Chernobyl

El 26 de abril de 1986 explotó el reactor nº 4 de la planta Nuclear de Chernobyl, en Ucrania, impactando al mundo con la mayor tragedia humana y ecológica de todos los tiempos, sólo comparable con la más reciente de Fukushima. Las radiaciones se han expandido por Belarus, Ucrania y Rusia, alcanzando aproximadamente 8 millones de personas.
La ruptura de varias tuberías de fuel provocó el aumento de la presión del reactor, lo que dio como resultado dos explosiones, las cuales volaron la tapa del mismo, permitiendo la salida de nubes radiactivas durante 10 días. La gente de Chernobyl estuvo expuesta a una radiactividad 100 veces mayor a la que hubo en Hiroshima. El norte de Europa estuvo expuesto a nubes de material radiactivo que fueron arrastradas por el viento. Según se informó posteriormente, hasta 17 países europeos fueron tocados por la nube.
El 70% de la radiación se estima que cayó en Belarus. Esto provocó (y sigue provocando) que sigan naciendo bebés sin brazos, sin ojos o con alguna de sus extremidades deformadas. Se estima que más de 15 millones de personas han sido víctimas del desastre de alguna manera y que costará más de 60 billones de dólares tratar médicamente a toda la población afectada.

El accidente nuclear fue clasificado como nivel 7 (“accidente nuclear grave”) en la Escala Internacional de Sucesos Nucleares (Escala INES) del OIEA, es decir, el accidente de peores consecuencias ambientales, y que sirve como referencia para proyectar y controlar los dispositivos y sistemas de protección de las instalaciones nucleares.

3.Caso Minas de Potasa de Alsacia

La sociedad “Handelskwekerij G.J. Bier BV” era propietaria de una explotación hortícola en Países Bajos que dependía principalmente para su irrigación de las aguas del Río Rin. La sociedad “Mines de potasse d’Alsace S.A.”, con domicilio en Francia, realizó una serie de vertidos de residuos salinos procedentes de su explotación en el Río Rin.

El contenido excesivamente salino de éstas que, afirmaba, se debía a los vertidos de la sociedad francesa, perjudicaba a las plantaciones de la empresa Holandesa y les obligaba a adoptar medidas muy costosas para paliar los daños.

En esa situación la sociedad holandesa y la fundación Reinwater, cuyo objeto social era promover la mejora en las aguas del Río Rin, interpusieron una demanda ante un Tribunal de Rotterdam (Países Bajos), que se declaró incompetente por considerar que la competencia correspondía al tribunal francés del lugar donde se había realizado el vertido.
Recurrida esta resolución en apelación el Tribunal Holandés plantea al Tribunal de Justicia de la Unión Europea una cuestión prejudicial en la que pregunta si por “lugar donde se hubiere producido el hecho dañoso” hay que entender el lugar donde el daño ha sobrevenido o se ha manifestado o el lugar donde la acción que lo genera se ha realizado u omitido.

El TJUE afirma que tanto el lugar del acontecimiento causal como aquél en el que se materializa el daño pueden constituir, según los casos, una conexión relevante desde el punto de vista de la competencia judicial internacional.
La solución alcanzada por el TJUE pretende ser neutral, en el sentido de no beneficiar ni al autor del daño ni a la víctima, porque aunque permita a la víctima escoger, entre los contemplados, el tribunal donde considera que sus posibilidades de éxito van a ser mayores, en realidad está, beneficiando el medio ambiente, que es lo que deberás efectivamente ser tutelado.

4.Caso fumigación Colombia vcs. Ecuador

Hace más de 30 años que Colombia esparce desde aviones una mezcla química de alta toxicidad sobre los cultivos de coca, marihuana y amapola.

Desde aproximadamente el año de 2000 el gobierno de Ecuador cuestiona tal acción en las áreas próximas de la zona de su frontera. Se recogieron estudios, investigaciones e informes de las diferentes misiones de verificación sobre el terreno cerca de la frontera donde se habían realizado las fumigaciones, para analizar los impactos de las fumigaciones a la salud de los habitantes de la zona y los cultivos afectados por las fumigaciones determinando los nutrientes del suelo, y de las plantas y analizar la presunta utilización de Fusarium oxysporum erytroxylum en las fumigaciones.

Ecuador constató que los impactos en su suelo eran evidentes y significativos, por eso pidió a Colombia que mantuviera una franja de seguridad de 10 km hacia el interior del territorio colombiano (para precautelar los derechos de los ecuatorianos), pero no fue respectado.

Share:

Nacionalidade espanhola para netos de espanhóis

O Senado espanhol aprovou em 18 de junho 2018 por unanimidade a proposta de lei de nacionalidade espanhola para descendentes de espanhóis (lei de netos de espanhóis) que devolverá aos netos de espanhóis a possibilidade de solicitar a nacionalidade espanhola.

Muitos brasileiros nos perguntam a diário quando será possível solicitar a nacionalidade espanhola por esta via. Cabe destacar que para a aprovação definitiva dessa lei se faz necessário passar por um processo legislativo de publicação e de entrada em vigor.

Segue o passo a passo que a lei deve seguir:

1ª) Primeira fase do procedimento legislativo ordinário: Foi aprovada por unanimidade pelo Senado.

2ª) Segunda fase constitutiva ou Central: Uma vez aprovada pelo Senado se envia ao Congresso dos Deputados. A labor do Congresso é de determinar o conteúdo da futura lei. Uma vez realizado publicação e abertura do prazo de apresentação de emendas, primeira leitura e votação no Pleno, reunião de apresentação e emissão de informe com a proposta, debate e votação por parte da comissão competente, apresentação de votos particulares, debate e votação no Pleno e envio do texto aproado pelo Presidente do Congresso ao Senado. No Senado o procedimento é similar a diferença é que possui uma limitação de prazo de 2 meses e caso seja declarado como um projeto urgente se reduziria para 20 dias.

No dia 02/07/2018 a proposta de lei entrou no Congresso de Deputados sendo publicado no Boletim Oficial das Cortes em 29/06/2018, abrindo assim o prazo para emendas que se finalizará em 17/09/2018.

3ª) Fase Final: Se o Senado não introduz nenhuma emenda ao texto o mesmo é enviado ao Presidente do Governo para os atos formais de sanção real e promulgação da lei sendo o prazo de 15 dias. Nem o Presidente do Governo nem o Rei podem realizar nenhuma alteração, nem devolver às Cortes nem suspender o processamento. Esta fase se finaliza com a publicação da lei no BOE (Boletim Oficial do Estado).

Quem poderá solicitar a nacionalidade espanhola pela nova lei de descendentes ou lei de netos?

1- Netos(a) de mulheres espanholas de origem, nascidas na Espanha e casadas com cidadão que não possui nacionalidade espanhola antes da entrada em vigor da Constituição Espanhola de 1978.

2- Netos de espanhóis que emigraram e receberam a nacionalidade espanhola no país de residência e perderam a nacionalidade espanhola antes do nascimento de seu filho(a).

3- Netos de espanhóis que perderam a nacionalidade espanhola pelo fato de não ter confirmado o desejo de conservar a mesma quando atingiram a maior idade.

4- Filhos de brasileiros que receberam a nacionalidade espanhola pela lei de memoria histórica 52/2007 e que não puderam solicitar a nacionalidade espanhola quando estava em vigor esta lei pelo fato de ser maior de idade.

Qual seria o prazo de resolução da nacionalidade espanhola pela nova lei de descendentes ou lei de netos?

O prazo será de 6 meses desde a apresentação da documentação.

QUERO ASSESSORIA PARA ISSO

Share:

DECRETO Nº 4.680/2003.

O decreto 4.680/2003 regulamenta o direito à informação, assegurado pela Lei no 8.078/90, Código de Defesa do Consumidor, quanto aos alimentos e ingredientes alimentares destinados ao consumo humano ou animal que contenham ou sejam produzidos a partir de organismos geneticamente modificados, sem prejuízo do cumprimento das demais normas aplicáveis.

O direito à informação é um direito destinado a todos os consumidores individualmente e como classe, visando uma maior proteção ao consumidor, haja vista que deve ser disponibilizado a este o conhecimento sobre dados indispensáveis sobre produto para uma decisão consciente. Esse direito se encontra positivado no art. 6º,III, do CDC, a saber:

Art. 6º São direitos básicos do consumidor:
(…)
III – a informação adequada e clara sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem.

É obrigação do fornecedor, prestar todas as informações acerca dos produtos comercializados, de maneira clara e precisa, notadamente em respeito ao principio da transparência.

O art. 31 do CDC elenca um rol exemplificativo das informações que devem constar no produto, quais sejam, “suas características, qualidades, quantidade, composição, preço, garantia, prazos de validade e origem, entre outros dados, bem como sobre os riscos que apresentam à saúde e segurança dos consumidores”.

O ARTIGO 2º DO DECRETO
No seu artigo segundo, o Decreto estabelece que o consumidor tem o direito de ser informado sobre a natureza transgênica do produto, alimentos ou ingredientes alimentares, quando este tiver sido produzido a partir de OGMs, e na sua composição constar a presença destes em um índice superior ao limite de 1%. Vale ressaltar que este limite pode ainda ser reduzido por decisão da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança, a CTNBio.

Para tanto, o texto legal estabelece que a informação acerca da utilização de OGMs deve constar no rótulo da embalagem dos produtos ou no recipiente em que são comercializados, quando vendidos in natura, nos moldes do art. 2º, § 1º.

O dispositivo supramencionado enaltece em seu parágrafo primeiro que a informação deve estar ainda em destaque. Conforme abaixo:
§ 1o Tanto nos produtos embalados como nos vendidos a granel ou in natura, o rótulo da embalagem ou do recipiente em que estão contidos deverá constar, em destaque, no painel principal e em conjunto com o símbolo a ser definido mediante ato do Ministério da Justiça, uma das seguintes expressões, dependendo do caso: «(nome do produto) transgênico», «contém (nome do ingrediente ou ingredientes) transgênico(s)» ou «produto produzido a partir de (nome do produto) transgênico”.

Além da informação no rótulo do produto, esta “também deverá constar no documento fiscal, de modo que essa informação acompanhe o produto ou ingrediente em todas as etapas da cadeia produtiva”.

O Decreto, ainda, prevê que no parágrafo 2º do artigo retro que “o consumidor deverá ser informado sobre a espécie doadora do gene no local reservado para a identificação dos ingredientes”.

A polêmica acerca da comercialização dos alimentos transgênicos no Brasil é decorrente dos potenciais riscos que estes alimentos podem gerar à saúde do consumidor, já que são oriundos da manipulação genética.
No entanto, o objetivo do decreto não foi avaliar a possibilidade de comercialização e consumo dos transgênicos, mas assegurar o direito a informação, ao passo que define os padrões de rotulagem desses produtos, com base da legislação consumerista e, sobretudo, vislumbrando a segurança e proteção do consumidor.

O ARTIGO 3º E 4º DO DECRETO
Mister elucidar os artigos 3º e 4º do diploma legal em espeque, para que, esmiuçando seu texto, se verifique a pretensão do legislador e a como se dá a aplicação no plano fático. Senão vejamos:

Art. 3º – Os alimentos e ingredientes produzidos a partir de animais alimentados com ração contendo ingredientes transgênicos deverão trazer no painel principal, em tamanho e destaque previstos no art. 2o, a seguinte expressão: «(nome do animal) alimentado com ração contendo ingrediente transgênico» ou «(nome do ingrediente) produzido a partir de animal alimentado com ração contendo ingrediente transgênico».

Art. 4º – Aos alimentos e ingredientes alimentares que não contenham nem sejam produzidos a partir de organismos geneticamente modificados será facultada a rotulagem «(nome do produto ou ingrediente) livre de transgênicos», desde que tenham similares transgênicos no mercado brasileiro.

Conforme se depreende da redação do art. 3º, o intuito aqui é preservar os sujeitos para que não consumam algo que desconheçam ou não tenham interesse em consumir. Isto porque, ainda que este trabalho não tenha um cunho científico, no trato do que seriam os alimentos transgênicos, cumpre relembrar que não se sabe quais efeitos estes podem causar ao corpo e saúde humana, a longo prazo, haja vista ser uma criação relativamente nova da ciência.

Assim, não seria honesto, e desobedeceria a princípios do ramo consumerista, como o da transparência e o da informação, não prestar os devidos esclarecimentos nos rótulos, pois, ainda que o alimento final não seja efetivamente transgênico, (e sim os alimentos que engordaram os animais usados como matéria prima para sua elaboração), o consumidor deve ter respeitado o seu direito a não consumi-los, seja por questões religiosas, morais, de saúde, calcado em seu posicionamento a partir de estudos ou qualquer outro motivo em que se funde o seu livre receio.

Nesse diapasão, se vê aqui um posicionamento louvável do legislador pátrio, que positivou no ordenamento, mais uma vez, o direito de informação do consumidor, agora em matéria específica, muita embora saibamos da pressão que o “lobby” dos empresários de grande porte exercem, no sentido de coibir essas importantes iniciativas protetivas a parte hipossuficiente da relação de consumo.

Seguindo esta linha, de contrariedade a leis protetivas, vejamos notícia datada de 29/11/2012, que aborda um absurdo projeto de Lei:

Projeto de lei propõe o fim da rotulagem de produtos transgênicos.
Para o Idec, o Projeto de Lei busca desconstituir a vitória dos consumidores alterando a Lei de Biossegurança.Após o TRF (Tribunal Regional Federal) julgar como obrigatória a rotulagem de alimentos transgênicos, decisão considerada uma vitória dos consumidores, um projeto de lei em trâmite no Congresso pode gerar um retrocesso nessa conquista. Do deputado Luiz Carlos Heinze (PP/RS), o PL 4148/2008 acaba com a rotulagem, eliminando a informação no rótulo no caso de não ser detectável a presença do OGMs (Organismos Geneticamente Modificados) no produto final – excluindo a maioria dos alimentos (como óleos, bolachas, margarinas, enlatados, papinhas de bebê etc). “Na ação movida pelo Idec, o TRF decidiu que qualquer produto que contenha organismos geneticamente modificados em sua composição deve informar isso em sua embalagem. O que esse PL busca é desconstituir a vitória dos consumidores na Justiça alterando a Lei de Biossegurança para que não seja informado no rótulo do produto que ele contém substâncias transgênicas”, explica o advogado do Idec Flavio Siqueira Júnior.

Em contraste a infeliz iniciativa do deputado supramencionado, vejamos a louvável decisão da 3ª VC de SP, em Ação Civil Pública proposta pelo MP, “litteris”:

As duas maiores fabricantes de óleo de soja do Brasil, Bunge Alimentos e Cargill Agrícola, devem informar no rótulo da embalagem que o óleo é fabricado a partir de grão geneticamente modificado. A decisão é da 3ª Vara Cível de São Paulo, que acolheu a Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público. Cabe recurso.As empresas foram citadas e terão 30 dias para adaptarem o produto. As marcas Soya (Bunge) e Liza (Cargill), comercializadas em São Paulo, devem assim ter na embalagem um triângulo amarelo com um T no meio. O alerta avisa que o produto foi feito a partir de soja transgência.“É inegável que o consumidor tem direito à correta informação acerca dos produtos colocados no mercado, mormente no que tange às suas composições (art. 6º, III e 31, CDC)”, afirmou o juiz.Segundo o juiz, a decisão está embasada na lei dos trangênicos. “Sob esta vertente, no que tange aos produtos geneticamente modificados, a Lei 11.105/05 determina em seu art. 40 que os alimentos e ingredientes destinados ao consumo humano que contenham ou sejam produzidos a partir de organismos geneticamente modificados deverão conter informação neste sentido em seus rótulos”.

No que tange a fiscalização dos dispositivos contidos na lei, esta é realizada pela Secretaria Nacional do Consumidor, órgão ligado ao Ministério da Justiça, e pelos Procons, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelas vigilâncias sanitárias estaduais.

Ressalte-se ainda que consoante pesquisa, verificou-se que a presidente do conselho diretor do Idec, Marilena Lazzarine, afirmou que na última fiscalização foram encontradas irregularidades na rotulagem. “O Departamento Nacional de Proteção ao Consumidor junto com Procons de vários estados coletaram amostras de alimentos em vários pontos do País, e a partir de análises de laboratório foram identificados produtos que continham ingredientes transgênicos sem a informação na rotulagem.”

Isto posto, é notório o conflito existente com relação ao tratamento deste tema, estando os órgãos protetivos atentos, e cada vez mais atuantes no sentido de levar a cabos os preceitos legais, em contraponto a um comportamento egoístico dos empresários.

Por fim, cabe aduzir que em que pese a legislação consumerista brasileira seja excelente, haja vista a observância de positivação legal, e fiscalização e iniciativas pró consumidor, ainda vige flagrante desrespeito, mediante práticas abusivas cometidas pelas empresas, através de condutas como acima relatada.

ARTIGO 5ºe 6º DO DECRETO
Importante mencionar também que o Decreto nº 4.680/2003 estabelece ainda exceção ao regramento à comercialização da soja de safra colhida em 2003.

Atentou o legislador ao fato de que houve o plantio de soja geneticamente modificada na safra em voga de maneira indiscriminada, impossibilitando que houvesse a certeza quanto a adoção ou não da prática no cultivo. Decorre deste fato a obrigatoriedade do uso das expressões identificando o produto como transgênico, independentemente do percentual da presença deste elemento, uma exceção à regra geral que assegura o direito a informação do consumidor.
Senão vejamos:

Artigo 5º- As disposições dos §§ 1o, 2o e 3o do art. 2o e do art. 3o deste Decreto não se aplicam à comercialização de alimentos destinados ao consumo humano ou animal que contenham ou tenham sido produzidos a partir de soja da safra colhida em 2003.
§ 1o As expressões «pode conter soja transgênica» e «pode conter ingrediente produzido a partir de soja transgênica» deverão, conforme o caso, constar do rótulo, bem como da documentação fiscal, dos produtos a que se refere o caput, independentemente do percentual da presença de soja transgênica, exceto se:
I – a soja ou o ingrediente a partir dela produzido seja oriundo de região excluída pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do regime de que trata a Medida Provisória no 113, de 26 de março de 2003, de conformidade com o disposto no § 5o do seu art. 1o; ou
II – a soja ou o ingrediente a partir dela produzido seja oriundo de produtores que obtenham o certificado de que trata o art. 4o da Medida Provisória no 113, de 2003, devendo, nesse caso, ser aplicadas as disposições do art. 4o deste Decreto.
§ 2o A informação referida no § 1o pode ser inserida por meio de adesivos ou qualquer forma de impressão.
§ 3o Os alimentos a que se refere o caput poderão ser comercializados após 31 de janeiro de 2004, desde que a soja a partir da qual foram produzidos tenha sido alienada pelo produtor até essa data.

Os incisos I e II, porém, restringem esta imposição ao produtor que seja de região excluída pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, assim como na hipótese de obtenção de certificado atestando a ausência de modificação genética.

Outro diploma legal atinente à matéria, a Lei 10.814/2003, que estabelece normas para o plantio e comercialização da produção de soja geneticamente modificada da safra de 2004, determina em seu artigo 1º:

«Às sementes da safra de soja geneticamente modificada de 2003, reservadas pelos agricultores para o uso próprio, consoante os termos do art. 2o, inciso XLIII, da Lei no 10.711, de 5 de agosto de 2003, e que sejam utilizadas para plantio até 31 de dezembro de 2003, não se aplicam as disposições», outra benesse legal que implica na impossibilidade de verificação de origem da soja, vedando apenas sua comercialização como semente.

Por fim, uma das inovações trazidas pelo Decreto, que talvez seja a mais louvável é o artigo 6º, que prevê a possibilidade de aplicar as sanções previstas no CDC no caso de infração do quanto determinado no referido diploma.

CONCLUSÃO

Conforme análise anteriormente realizada, o Decreto em menção possui a finalidade de regulamentar o direito inafastável a informação que o consumidor possui, com relação aos alimentos transgênicos, ou seja, geneticamente modificados.

Após a análise do exposto, nota-se ser imprescindível a rotulagem dos produtos transgênicos, aos órgãos competentes do Governo fiscalizar tal procedimento.

Enquanto essa rotulagem mostrar-se impossível, não haverá como justificar a liberação do plantio e comercialização de transgênicos. (MARTINS, 2004)

No entanto, muitos acreditam que o Decreto 4680/2003 é inaplicável, haja vista a impossibilidade fiscalizar seu atendimento e, principalmente, pela força das grandes indústrias de alimentos.
Diante de tudo que foi dito, conclui-se que o Decreto de rotulagem é um bom começo, traz diretrizes importantes, porém ainda é uma lei morta.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Decreto 4680/2003. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/d4680.htm> Acesso em 28 out 13

CUEVA, Fabiana Cristina de Arruda. Transgênico e o Direito de Informação do Consumidor. Disponível em: <http://arquivo.fmu.br/prodisc/direito/fcac.pdf> acesso em: 30 out 2013.

MARTINS, Maria Carolina. Rotulagem dos alimentos transgênicos. 2004. Disponível em: <http://oabjundiai.org.br/popups/artigos/026.htm> acesso em: 30 out 2013.

LAZZARINI, Marilena. Entrevista. Disponível em: <http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&tipo=entrevista&edicao=36> Acesso em 31 out 2013.

Share: