Receba nossa newsletter e não perca as novidades sobre imigração para Espanha!

Sua assinatura não pôde ser validada.
Você fez sua assinatura com sucesso.

Planejamento migratório: a importância da educação financeira 

Saiba como a educação financeira pode apoiar o seu planejamento migratório e viabilizar a sua vida no exterior. Acesse o blog!

Planejamento migratório: a importância da educação financeira 

Seu planejamento migratório anda lado a lado com a sua realidade financeira? Você sabe exatamente no que seu dinheiro está sendo gasto ou costuma fazer malabarismo com as dívidas? 

Quando falamos em emigrar, investir em educação financeira é uma das melhores formas de prevenir frustrações econômicas e pessoais em terras estrangeiras.

Saiba mais sobre este assunto ao longo do texto!

O QUE É EDUCAÇÃO FINANCEIRA?

Em 2022, o número de brasileiros endividados atingiu a máxima histórica, 75% — considerando os 12 anos da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor

Na prática, os dados mostram que, muito provavelmente, você conhece alguém que tem dívidas recorrentes, ou até mesmo seja essa pessoa.

Felizmente, com educação e conhecimento é possível mudar realidades. 

Relacionada com conceitos básicos e práticas simples, a educação financeira se propõe a mudar a maneira como nos relacionamos com o dinheiro. 

Quando bem aplicada, possibilita a organização, a administração e o controle das finanças para tomadas de decisões mais conscientes, tanto em relação ao orçamento individual quanto ao familiar. 

Desse modo, é certo dizer que os pilares principais da educação financeira são: o controle dos gastos e a alocação estratégica dos recursos disponíveis. Dois princípios que tendem a dar às pessoas mais tranquilidade e segurança, assim como um consequente incremento na qualidade de vida.

EDUCAÇÃO FINANCEIRA E PLANEJAMENTO MIGRATÓRIO 

É fato: saber lidar e ter o controle da vida financeira reduz as possibilidades de enfrentar dificuldades em outro país. No entanto, nem todos se atentam a este ponto.

Em Portugal, por exemplo, o número de brasileiros que recorreram a entidades de repatriação aumentou consideravelmente nos últimos meses. Segundo as autoridades, muitos imigrantes declararam não ter dinheiro sequer para pagar a passagem de volta ao Brasil. Um verdadeiro alerta!

Desse modo, se você ainda não sente que tem o controle da sua situação financeira, acompanhe a leitura até o final e confira algumas dicas e hábitos que te ajudarão a gerir seus recursos com mais estratégia. 

EDUCAÇÃO FINANCEIRA PESSOAL

Autocontrole emocional, disciplina, responsabilidade social, autonomia e independência são alguns dos benefícios de investir na sua educação financeira pessoal. 

O melhor de tudo é que você não precisa ser um especialista em investimentos ou finanças para ter uma vida financeira equilibrada. Basta dar pequenos passos, como os que citarei a seguir.  

Em primeiro lugar, identifique todas suas fontes de ingresso, liste suas dívidas e cada um dos seus gastos recorrentes e variáveis. Isso te dará a visibilidade necessária para qualquer tomada de decisão que envolva recursos econômicos. 

Gastos fixos: aluguel, conta de água, luz, internet, plano de saúde, etc.
Gastos variáveis: lazer, refeições em restaurantes, viagens e afins. 

Após mapear suas despesas será mais fácil identificar pontos de excesso e rever hábitos de consumo.

Para eliminar itens da sua lista de gastos, corte os custos variáveis não necessários e, no caso dos gastos fixos, adote, por exemplo, práticas mais sustentáveis e econômicas, diminuindo o consumo de água e energia. 

Após essa revisão de “entradas” e “saídas”, os custos tendem a ser reduzidos e você poderá investir seus recursos de maneira mais assertiva, favorecendo o seu planejamento migratório. 

Facilite o processo, confira: modelo editável de planilha de orçamento pessoal no Excel

REPENSE SEUS GASTOS, UMA E OUTRA VEZ

Está na dúvida se compra ou não? Questione-se: “quanto é a minha hora de trabalho? Esse item que quero comprar custa X horas do meu tempo, ele realmente vale a pena? Trata-se de um investimento ou um capricho?”

Igualmente, para além dos preços, avalie a relação entre o custo e o valor, pois, quando falamos de um projeto migratório, ela também é essencial.

“Como assim, Amanda?”. Às vezes, queremos economizar em um serviço ou produto, porque acreditamos que um profissional ou comerciante cobra “caro demais”. Então, adquirimos algo de baixa qualidade ou fazemos por conta, sem experiência alguma. 

Resultado? Um retrabalho e um consequente gasto de recursos. 

Por isso, não se esqueça: além de olhar para o preço, sempre identifique o valor daquilo que quer adquirir. 

Preço: quantia em dinheiro que você paga por determinado bem de consumo ou serviço.
Valor: os benefícios que aquele produto/serviço te proporcionam.

A regra é clara: se o preço não for compatível com o valor, busque uma segunda alternativa. Poupar da maneira correta, a médio e longo prazo, é melhor do que “comprar barato”. 

7 HÁBITOS FINANCEIROS QUE APOIARÃO SEU PLANEJAMENTO MIGRATÓRIO

  1. Viva um degrau abaixo daquilo que sua renda permite: viver no limite é um risco para quem quer ter estabilidade financeira, já que expõe o orçamento a imprevistos e vulnerabilidades.  
  2. Comece a se organizar para quitar dívidas: abra mão dos gastos não essenciais em prol de quitar seus débitos, comece priorizando as dívidas com maiores taxas de juros. Por fim, se preciso, tente entrar em acordo com os credores e negociar suas dívidas. 
  3. Anote os seus gastos: seja em uma planilha de Excel, em um caderno ou em um aplicativo, tenha controle de todos seus gastos, sem exceções. 
  4. Tome decisões estratégicas em relação ao seu dinheiro: considerando sua realidade e objetivos de imigração, pense e analise em quais campos seus recursos financeiros serão melhor investidos.
  5. Estipule objetivos e metas: onde você quer chegar? Quais sonhos você planeja realizar? Agora quantifique cada um deles.  Criar metas é fundamental para motivar a organização do seu planejamento migratório.  
  6. Esteja preparado(a) para imprevistos: seja no Brasil ou no exterior, sua reserva de emergência precisa existir! E, veja bem, nem sempre um imprevisto significa algo ruim, às vezes, pode estar relacionado a uma oportunidade única, como um curso inédito ou a possibilidade de participar de uma experiência limitada. Crie sua reserva!
  7. Busque informação: ao imigrar, nunca assuma que porque dominava um determinado processo no Brasil também dominará no novo país. Antes de realizar procedimentos burocráticos, pesquise bastante e/ou converse com especialistas. 

Não se esqueça que para um planejamento migratório bem-sucedido, cada decisão importa. 

10 LIVROS PARA APRENDER MAIS SOBRE EDUCAÇÃO FINANCEIRA 

Para encerrar o blog desta semana, deixo abaixo alguns livros que podem te ajudar a desenvolver uma mentalidade financeira mais saudável. Confira!

  1. Pai rico, pai pobre — Robert Kiyosaki
  2. O poder da educação financeira — Robert Kiyosaki 
  3. Educação financeira ao alcance de todos —  José Pio Martins
  4. O investidor inteligente — Benjamin Graham
  5. O poder do hábito — Charles Duhigg
  6. O homem mais rico da Babilônia — George S. Clason
  7. A riqueza da vida simples — Gustavo Cerbasi 
  8. Como organizar sua vida financeira — Gustavo Cerbasi
  9. A mente acima do dinheiro —  Brad Klontz e Ted Klontz
  10. Saiba mais para gastar menos — Elaine Toledo 

E aí, já leu algum deles?